Arquivo da categoria: Cozinha Internacional

Os melhores restaurantes do mundo: 3º

E finalmente os 3 finalistas…

O The Fat Duck, que em 2005 tinha ocupado a posição de melhor restaurante do mundo, fica em 3º neste ano de 2010. Conduzido pelo chef Heston Blumenthal, o restaurante  é um dos únicos três no Reino Unido e Irlanda que receberam três estrelas do Guia Michelin em 2004.

Fat Duck Exterior

Difícil  é acreditar que um rapaz tímido do interior da Inglaterra se tornou chef autodidata, abriu o pequeno The Fat Duck sem experiência nenhuma e conquistou num intervalo de tempo recorde – seis anos – a cotação máxima de três estrelas no Guide Michelin. Perfeccionista, criativo e destemido, Heston conquistou a crítica e o público com seus pratos inusitados e polêmicos.

Ele está situado num vilarejo de Bray, Berkshire, 40 minutos a oeste de Londres. Podendo chegar até lá de trem, seguido por uma corrida de táxi de cinco minutos. Seu interior  é surpreendentemente acolhedor e relaxante – vigas em madeira e apenas 45 lugares.

Em seu site quando abrimos o espaço para fazer uma reserva, nos é solicitado no mínimo 4 horas separadas para permanecer no recinto. Imagino que os minutos devem correr sem nem percebermos… Em meio a tantos pratos magníficos de um restaurante tão renomado! Menu de degustação que pode chegar a 140 libras, sem vinho e serviços incluidos… Bom… um tanto pesadinho!!! Mas pelo jeito, deve valer a pena!

No início de 2009 o  restaurante, foi encerrado temporariamente devido suspeitas de intoxicações alimentares de alguns clientes. Cerca de 30 a 40 pessoas sentiram-se mal alegadamente depois de terem comido lá durante as últimas duas ou três semanas antes de fecharem as portas. “É verdadeiramente bizarro. Não encontrámos nada, mas não queremos arriscar e reabrir sem que sejam consideradas todas as possibilidades” indicou o proprietário ao jornal Times. Mas reabriu o restaurante após algumas semanas de inspeções.

Mesmo sendo um restaurante tão reconhecido e com valores relativamente altos, eles não possuem um código de vestimenta… Deixando seus clientes bem à vontade para frequentar o local… Claro, que bom senso é bem aceito em qualquer lugar!!

Vamos à alguns pratos…

The Fat Duck (1 of 26)

The Fat Duck (2 of 26)

Nitro-escalfado de chá verde e mousse de limão. Difícil é explicar seu preparo… Confira o vídeo abaixo…. Nossa, amei!!!!

The Fat Duck (3 of 26)

Sorvete de grãos Pommery de mostarda, repolho roxo gazpacho (um tipo de sopa) – Em sua mesa, o garçom despeja o Gazpacho cuidadosamente ao redor do sorvete… Que deve ser comido rapidamente…antes que o sorvete derreta!!! Amo frio com quente!!!

The Fat Duck (5 of 26)

The Fat Duck (4 of 26)

Geléia de codorna, creme de lagostim, parfait de foie gras, musgo de carvalho e trufas tostadas –  No centro da mesa fica uma bandeja cheia de musgo, que foi inundada com água para liberar um cheiro suave de carvalho e libertar o fabuloso poder de gelo seco – escondendo a bandeja com um véu de fumaça.

Vejam  vídeo:

The Fat Duck (7 of 26)

Mingau de caramujo, presunto Jabugo e erva-doce raspada.

The Fat Duck (9 of 26)

Foie gras assado “benzaldeído”, gel fluido da amêndoa, cereja e camomila.

The Fat Duck (10 of 26)

The Fat Duck (11 of 26)

Som do mar – Mariscos e pequenas porçoes de frutos do mar servidos numa placa de vidro com uma porção de areia… E tudo isso ouvindo música individualmente, com um Ipod colocado dentro de uma concha…genial!!!!

The Fat Duck (12 of 26)

Salmão escalfado em gel de alcaçuz, alcachofra, maionese de baunilha e Azeite “Manni” .

The Fat Duck (13 of 26)

Ballotine de Pombo de Anjou, morcela “Feito à Ordem”, salmoura temperada e sucos

The Fat Duck (16 of 26)

Chá gelado – quente para limpar o paladar. Sensações quentes e frias são entregues a distintas partes da boca, ao mesmo tempo.

The Fat Duck (17 of 26)

Mrs. Marshall’s Margaret Cornet – A sobremesa inaugural é precedida por livrinhos sobre Mrs. Marshall e seu sorvete de ponta feito no século 19. Breve história adicionados ao doce – perfeitamente apresentado, como um mini cone de maçã com creme de gelo e um recheio de gengibre.

The Fat Duck (18 of 26)

Pine Sherbet Fountain – Com  instruções de mergulhar a fava de baunilha no sorvete, retirá-la e degustar.

The Fat Duck (19 of 26)

Manga e purê de Douglas Fir, bavarois de lichia e manga, sorvete de groselha 

The Fat Duck (20 of 26)

Cereais – Flocos de batatas fritas com doce de leite

The Fat Duck (21 of 26)

Nitro-ovos mexidos e sorvete de bacon,pain perdu e geléia de chá.

Vejam como se faz essa incrível sobremesa!!!

The Fat Duck (23 of 26)

Petit fours: chocolate aerado, tartelete de .violeta, caramelo de torta de maçã.

The Fat Duck (22 of 26)

Macchiato com leite quente

Que delícia de restaurante… E mais do que surpreendente. Achei mais convincente colocar os vídeo auto explicativos dos pratos… Eles despertam mais nosso interesse… E confesso que nunca provei algo parecido… Espero um dia poder ir à um restaurante assim!!!

The Fat Duck
High Street
Bray
Berkshire
SL6 2AQ

 The Fat Duck (26 of 26)

 Informações retiradas daqui.

Nickolle Abreu

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Cozinha Internacional

Os melhores restaurantes do mundo: 4º

El Celler de Can Roca

  

É assim que chama o restaurante dos três irmãos: Joan, o chef; Josep o sommelier e Jordi o pâtissier… O trio é reconhecido mundialmente por explorar ao máximo os perfumes da cozinha. E não é por menos que o tão procurado restaurante não foi “provovido” de duas para três estrelas Michelin, como também foi eleito como o 4º melhor do mundo.

spain_josep-joan-jordi-roca2

Joan, Jordi e Josep

 De novo endereço, a belíssima casa moderna e envidraçada para onde se mudaram um tempo atrás fica em um subúrbio de Girona, coração da Catalunha, uma linda cidadezinha uma hora ao norte de Barcelona.  Seu salão forma uma espécie de triângulo em cujo centro há um canteiro de árvores rodeadas de lascas de pedra cinza-escuro. Um ambiente muito tranquilo e moderno entram em sintonia com as maravilhas servidas na casa.

Atendimento de primeira, pratos literalmente surpreendentes e chefs da melhor qualidade fazem do restaurante quase que um ponto obrigatório pros que apreciam boa comida… E diga-se de passagem, entre os 5 melhores do mundo. Não é pra qualquer um…

O Restaurante possui 3 menus distintos… Um de 3 cursos e uma sobremesa – 95 euros, um de 5 cursos e 2 sobremesas – 115 euros e outro de 9 cursos e 2 sobremesas – 145 euros. Todos com vinho incluido. Lógico que eu escolheria o terceiro… Em média 5 horas para você completar seu menu.

Portanto, quem tiver a oportunidade… Não deixe de ir… E com estes posts de Melhores do mundo, a minha vontade é de conhecer todos numa viagem só… Saindo daqui hoje mesmo!!! Sonho meu…

Mas, vamos ao que nos interessa… Os pratos!!!

  

De aperitivo, um bonsai – de verdade! – Pendendo de seus galhos, azeitonas recheadas de anchovas, com fina crosta caramelada e quebradiça. Um cartão de boas-vindas comestível, que representava o salgado (domínio de Joan Roca) e o doce (do qual se encarrega o caçula Jordi Roca).

Bellini: Purê de pêssego da mais alta qualidade, geladinho. E tudo se liquefazia na boca.

Finas hóstias de batatas chips ensanduicham um creminho de frango. – À esquerda, “omelete” de arenque defumado e caviar. À direita, parfait de pombo.

Espinhas de anchova fritas em tempura de arroz (era quase um torresminho do mar, textura  parecida), e, sobre a mesma “rede de pescador”, um naco de peixe com um recheio de algo picado e frito.

Mas estes todos foram servidos como APERITIVOS…

Ostras com cava Agustí Torelló, compota de maçã, gengibre, abacaxi, limão confit e especiarias – detalhe: o vidro chega geladíssimo. Ao servir, o garçom despejou sobre as ostras e os micro pedacinhos de maçã e abacaxi uma cava com consistência de geléia, quase, feita sob encomenda, em cujo translúcido gel ve-se as borbulhas em suspensão.

Escalivada com anchovas e fumaça de brasas. Beringela, pimentão, cebola e tomate na grelha

Figo com foie gras

Camarão gigante (gamba) na grelha

Sopa de cebolas, nozes Crespià (walnuts) e queijo Comté – Uma sopinha com pedacinhos de cebolinhas francesas e minipepitas de noz envoltas em caramelo quebradiço, fazendo perfeito contraponto com o suave amargor da sopa.

Cigala (cavaquinha) da Noruega cozida no vapor de Amontillado – a tigelinha da esquerda contem uma rocha e chega à mesa pelando. Sobre ela, uma espécie de peneira fina, onde pousa o corpo de uma cigala, cru. O garçom verte um Amontillado que imediatamente levanta fervura. Põe-se uma tampa, de modo que aquele vapor quentíssimo de jerez cozinhe a cigala. Ao lado, uma sopinha  feita de sua cabeça, lembrando uma bisque sem creme. E numa colherinha ainda vem um caramelo de Oloroso.

Linguado, azeite e sabores do Mediterrâneo: erva-doce, bergamota, laranja, pinoli e azeite –

Lulinhas com onion rocks – A “ilha” negra ao centro é um naco de um bolo esponjoso feito segundo técnica do El Bulli (poucos segundos em copo plástico no microondas).

Red mullet (trilha) com suquet (um cozido de frutos do mar catalão) e gnocchi de banha 

Em homenagem ao meu amor!!!!!! E ele sabe porque!!!…                                                                                                                           Steak tartare com sorvete de mostarda – A carne vem coberta com alguns glóbulos esbranquiçados do tal “sorvete de mostarda”,acompanhada de batatinhas suflês, cada qual passada em uma especiaria ou tempero: ketchup caseiro, béarnaise… Folhinhas de mostarda para completar.

Cordeiro com terrine de pêssego e abricot

Para limpar o paladar… “noz” congelada.

Sanduíche de pele crocante de porco ibérico e melão – A pele, de um marrom dourado, absolutamente plana e crocante, o melão do “recheio” morno e mole, cozido à vácuo.

Sorbet de limão destilado – A gota alaranjada possui um gosto de beurre noisette.  Cubinhos de bolo. Uma água aromatizada com rosas. Uma “neve” de leite de limão. E uma granité minute, mais conhecida como raspadinha, feita com a pele do limão.

Milk dessert – Nuvem de chantilly do mais fresco leite de ovelha, ali de perto, coroada com algodão doce e uma fatia geladinha de algo que parecia picolé de goiaba. Ou seja: Romeu e Julieta! (Inspiração trazida do Brasil pelos Chefs)

Baunilha, caramelo, alcaçuz, azeitonas secas e caramelizadas

Gol de Massi –  Os jogadores driblados aparecem em forma de mini-marshmallows. A bola, ao final, é para pegar com a mão e jogar para dentro da tigela, furando a “rede do gol”. E tudo isso enquanto eles tocam, de um aparelhinho de som em formato de bola, a narração entusiasmada do radialista catalão Joaquim Maria Puyal. Fala Sérioooooooooooooo!!!!!

Tem como não querer ir num lugar desses… Se alguém quiser me dar de presente, eu super aceito!!!

El Celler de Can Roca: Carrer Can Sunyer, 46, 17007 Girona, Catalunha                                                                                                                            Tel.  +34 972222157

www.cellercanroca.com

Informações e imagens retiradas do blog boa vida viaje aqui.

Aguardem os 3 melhores do Mundo!!!!!

Nickolle Abreu

Deixe um comentário

Arquivado em Cozinha Internacional

Os melhores restaurantes do mundo: 8º

Na 8ª posição, ficamos com mais um Restaurante americano…

Daniel, localizado em Nova York é o principal restaurante de Daniel Bouloud. Ele que é chefe de cozinha francesa que dá nome a este restaurante. A decoração do local está inspirada no estilo do renascimento veneziano, com uma sala especial para festas privadas chamada Bellcour Room. Lá, as especialidades são servidas de acordo com a temporada, merecendo destaque um elaborado cardápio de sobremesas feitas à base de chocolate. Também há um cardápio especial para vegetarianos, além de uma adega com 1.500 tipos de vinho provenientes de 15 países diferentes.

O restaurante que leva 3 estrelas no Guia Michelin, não está na lista dos mais caros de NY. Uma vez que seu menu degustação com 3 pratos no jantar custa U$ 105, e caso você queira combinar cada prato com um vinho ele passa a custar  U$ 165. Os menus mais completos custam U$ 185 -6 pratos- ou U$ 205 -8 pratos-. Mesmo assim ainda não chega aos U$275 do Restaurante Per se .

Quanto a reserva, digamos que é beeeeeem mais fácil conseguir. Você pode até conseguir pro mesmo. E assim como no restaurante Per se, existe um código de vestimenta, que exige terno e gravata…

P1000181

Fiquem com fotos de alguns pratos…

Desculpem…mas dessa vez não consegui o nome de alguns pratos e a tradução da grande maioria… Mas só de ver já dá água na boca!!!!

_1000580

P1000143

Amuse Bouche

foto

Pressed Duck And Fois Gras Terrine
Chimay Gelée, Chestnuts, Red Cabbage Chutney

 P1000146

Mosaico do Capão, foie gras, e aipo
Os blocos do “mosaico” estão separadas por filmes finos de trufas negras. 

P1000148
Duo of Hamachi

P1000149
Marinated Fluke with Seaweed
Pinhões, rabanetes, cogumelos Matsutake, Jelly Bonito (n sei o que é…)

P1000151
Butter Poached Abalone

Curry amarelo assados , arroz crocante, chuchu

P1000153
Maine Sea Scallop “Rosette”

P1000155
Handmade Tallegio Agnolotti with Alba White Truffle

P1000156
Oeuf en Cocotte

P1000159
Turbot Baked on Himalayan Salt

 P1000160
Elysian Field Farm Lamb Chip

P1000162
Fois Gras Stuffed Scottish Grouse

P1000165
Duo of Fruit and Chocolate Desserts

P1000171

P1000174

P1000168

P1000167
 

Informações retiradas daqui, e imagens daqui.

Daniel
Upper East Side
60 E 65th St
New York, NY 10065

Nickolle Abreu ♥

Deixe um comentário

Arquivado em Cozinha Internacional

Pastel de Belém

 

O sabor da Tradição

No início do Século XIX, em Belém, junto ao Mosteiro dos Jerónimos, laborava uma refinação de cana-de-açúcar associada a um pequeno local de comércio variado. Como consequência da revolução Liberal ocorrida em 1820, são em 1834 encerrados todos os conventos de Portugal, expulsando o clero e os trabalhadores. Numa tentativa de sobrevivência, alguém do Mosteiro põe à venda nessa loja uns doces pastéis, rapidamente designados por “Pastéis de Belém”. Na época, a zona de Belém era distante da cidade de Lisboa e o percurso era assegurado por barcos de vapor. No entanto, a imponência do Mosteiro dos Jerónimos e da Torre de Belém, atraíam os visitantes que depressa se habituaram a saborear os deliciosos pastéis originários do Mosteiro. Em 1837, inicia-se o fabrico dos “Pastéis de Belém”, em instalações anexas à refinação, segundo a antiga “receita secreta”, oriunda do convento. Transmitida e exclusivamente conhecida pelos mestres pasteleiros que os fabricam artesanalmente, na “Oficina do Segredo”. Esta receita mantém-se igual até aos dias de hoje. De fato, a única verdadeira fábrica dos “Pastéis de Belém” consegue, através de uma criteriosa escolha de ingredientes, proporcionar hoje o paladar da antiga doçaria portuguesa.
 

 

Eu já provei um pastel de Belém, mas dizem que a receita original é simplesmente única… E como foi dito, os seus selecionadíssimos ingredientes juntamente com a receita secreta fazem toooooooooda a diferença!

O pedro, que agora é o Alimentador oficial do meu blog que novamente me mandou as fotos!!!!

No site oficial vocÊ faz uma visita na produção dos pastéis… ameeei… parece que vc está lá vendo tudo!!!!!

Fiquem com umas fotos de dar água na boca….

Pra quem quiser fazer uma visitinha a loja fica em Lisboa, em Portugal! Dizem que vale super a pena, viu!!

Além dos pasteis, a loja tem outros produtos feitos a partir de receitas tradicionais…

Bolo inglês

Lacinhos, Bolachinhas do Bom sucesso, Bolo de amor, Bolo de canela, Bolacha (frisada, belém, manteiga e cacau), Palitos de Sintra, Petit Four de coco, Suspiros.

Doce de Abóbora, Doce de Tomate, Geléia de Laranja e Geléia de Marmelo.

Marmelada Belém

Bolo Rainha

Bolo Rei

 Quero demaissss!!!

Informações e algumas imagens retiradas do site dos Pasteis de Belém!!

Nickolle Abreu

1 comentário

Arquivado em Cozinha Internacional, Sweets!

Caneles de Bordeaux

Especialidade de Bordeaux, na França… O Canele é um doce macio de baunilha coberto com uma camada de caramelo… nunca provei mas imagino que o contraste das texturas deve ser um dos toques especiais deste doce… Ah… o Pedro falou que o cheiro é impressionante quando o doce está assando… Eu só imagino!

A receita é feita a partir de ovos, açúcar, leite e farinha aromatizada com rum e baunilha, o batedor de creme é cozido em um molde, dando ao Canele uma crosta caramelizada e interior super cremoso.

Mais um post alimentado pelas fotos do Pedro… O primeiro foi o da Doceria Maison Larnicol… confira aqui !!!

O Canele é consumido no café da manhã,  lanches e como sobremesa. Produzido em várias formas e tamanhos, seu consumo varia.
Eles são tradicionalmente  vendidos em porções de oito ou 16.

De verdade… queria muito provar um agora!


Foto: Pedro Las Casas

Mais algumas fotos retiradas da internet!

Morri…

E uma receitinha encontrada aqui

A receita do canelé

Tempo de preparo: 20 minutos
Tempo de cozimento: 30 minutos
Nível: difícil

BR_Canelé Bordeaux Saveurs Aquitaine
Ingredientes (para 12 canelés)
– 50 ml de leite
– 25 g de manteiga

– 2 gemas 
– 250 g de açúcar
– 125 g de farinha
– ½ fava de baunilha

– 1 colher de sopa de rum
– 1 colher de sopa de raspas de limão
– algumas gotas de essência de amendoa amarga
– cera de abelha comestível ou manteiga derretida
–  forminhasde bolo caneladas em cobre

O preparo do Canele

1.Ferver o leite, a manteiga, as favas de baunilha com o limão e a amendoa.
   Deixar amornar coberto.
2.Bater os ovos com o açúcar e incorporar a farinha sem bater muito.
3.Acrescentar com cuidado o leite, mexer para obter uma massa lisa.
   Acrescentar o rum.
4.Deixar a massa repousar por 24 horas, coberta.
5.Untar as formas com a cera (ou com a manteiga), levando-as primeiro ao forno
   a uma temperatura de 130°C
6.Pré-aquecer o forno à temperatura de 210°C, encher as formas até 1 cm da borda
   e assar por 30 a 45 minutos. Os Caneles  devem ficar com cor de caramelo.
7.Deixar esfriar e desenformar a seguir. 

Nickolle Abreu

Deixe um comentário

Arquivado em Cozinha Internacional, Sweets!

França por aqui!

Voltando a postar depois de um bom tempo sem aparecer por aqui…

Para a alegria de alguns que sempre me cobram, aqui está mais um post fresquinho… e prometo manter o blog em dia!! Correria e mais correria!!

Voltarei com um clima internacional, após fotos enviadas pelo Pedro (companheiro de viagem do meu namorado)…

Eu ja havia feito um post sobre Macaron…. Mas serei obrigada a fazer mais um com os legítimos franceses!! Nem os provei mas tenho certeza que são deliciosos!! Ahhh… e ainda postarei o kit que meu namorado me deu para fazer os macarrons!! Estou louca p inagurá-los… o Difícil vai ser conseguir fazer!

As fotos foram tiradas no Maison Larnicol , uma chocolaterie e biscuiterie, em Saint Malo, na França… Nem preciso dizer que morri de água na boca né…

O macaron de lá é considerado um dos melhores da França, e lá também são encontradas eculturas lindas de chocolate maciço!!

Fiquem com as fotos deliciosas!

Macarons de diversos sabores

Esculturas de chocolate maciço.

 

Achei as esculturas perfeitas… Se ja tenho pena de morder os pirulitinhos de chocolate branco e preto de tão bonitinhos, imaginem estas obras de arte… Ameii!!

Fotos: Pedro Las Casas

Mais algumas fotos retiradas da Internet!!

 

Entao… Delícia né!?!?

Quando eu visitar Saint Malo, eu tiro mais fotos… comendo, é logico!!

Espero que tenham gostado!!!!

Nickolle Abreu

3 Comentários

Arquivado em Cozinha Internacional, Sweets!